SEQUÊNCIA NARRATIVA

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W Z

Contador de Visitas

Na Internet desde 2005.
mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterToday698
mod_vvisit_counterYesterday9402
mod_vvisit_counterThis week46308
mod_vvisit_counterLast week59794
mod_vvisit_counterThis month698
mod_vvisit_counterLast month275956
mod_vvisit_counterAll days13044891

We have: 72 guests, 19 bots online
Your IP: 54.237.153.141
 , 
Today: Ago 01, 2014
Nº de colaboradores: 178

Estatísticas

Há 1609 verbetes publicados

SEQUÊNCIA NARRATIVA

Agrupamento lógico das acções de uma história. O estruturalista francês Claude Brémond (1973) propôs uma sistematização das formas de funcionamento do fluxo narrativo, que inclui a alternância, o encadeamento e o encaixe. Por exemplo, a novela conhecida por Menina dos Rouxinóis contida em Viagens na Minha Terra, de Almeida Garrett, pode ser considerada globalmente um encaixe no texto digressivo das viagens realizadas pelo Autor. Os factos que constituem essa novela interna se desenvolvem estão devidamente encadeados entre si e alternam várias reflexões e pequenas outras histórias. Como texto complexo que é, as Viagens ilustram os principais métodos de combinação de sequências narrativas. O modelo de Brémond (influenciado pelas teorias morfológicas de Propp sobre as funções) foi largamente utilizado na didáctica da literatura portuguesa durante as décadas de 1980 e 1990 e acabou por sofrer uma simplificação no estudo da narrativa, sem se olhar ao facto de o modelo estar limitado a uma lógica redutora do estudo do texto literário, muitas vezes sacrificando a sua interpretação a esquematizações impenetráveis. O modelo das sequências narrativas, tal como é descrito por Brémond não está orientado para as variações temporais das acções narradas, mas prevê somente relações formais do subtexto com o texto principal ou dos subtextos entre si.

Bibliografia

C. Brémond: Logique du récit (1973); Sholomith Rimmon-Kenan: Narrative Fiction: Contemporary Poetics (1983); T. Todorov: “Les catégories du récit littéraire”, Communications, 8 (1966).