CONFUTAÇÃO (CONFUTATIO)

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W Z

Contador de Visitas

Na Internet desde 2005.
mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterToday562
mod_vvisit_counterYesterday7324
mod_vvisit_counterThis week35954
mod_vvisit_counterLast week55535
mod_vvisit_counterThis month200720
mod_vvisit_counterLast month215307
mod_vvisit_counterAll days15178167

We have: 86 guests, 9 bots online
Your IP: 54.197.142.249
 , 
Today: Maio 29, 2015
Nº de colaboradores: 178

Estatísticas

Há 1610 verbetes publicados

CONFUTAÇÃO (CONFUTATIO)

Na retórica clássica, a apresentação de refutações, objecções e interrogações que o orador dirige ao público. No Sermão da Sexagésima (1655), António Vieira resume o tema do sermão à reflexão sobre o “pouco fruto da palavras de Deus”: “Pois se a palavra de Deus é tão poderosa; se a palavra de Deus tem hoje tantos pregadores, porque não vemos hoje nenhum fruto da palavra de Deus? Esta tão grande e tão importante dúvida, será a matéria do Sermão. Quero começar pregando-me a mim. A mim será, e também a vós; a mim, para aprender a pregar; a vós, para que aprendais a ouvir.” (§II). Está lançado o tema, apelando á participação do público. Nas próprias palavras de Vieira, a parte de um sermão que corresponde à confutação é aquela em que o pregador “há-de responder às dúvidas, há-de satisfazer as dificuldades, há-de impugnar e refutar com toda a força da eloquência os argumentos contrários” (§VI).